Sobrepeso na adolescência pode elevar riscos de doenças cardiovasculares

0
1074

Estudo indica que o sobrepeso pode ser tão prejudicial quanto a obesidade para a saúde do coração.

É muito comum ouvir especialistas falando sobre os riscos da obesidade. Afinal, esta é uma doença que pode trazer vários riscos para a saúde e afeta grande parte da população mundial. Entre os principais danos, a saúde cardiovascular é um dos pontos que mais provoca alerta. Mas, de acordo com um estudo recente, o sobrepeso pode ser tão prejudicial quanto a obesidade para a saúde do coração, principalmente em adolescentes.

De acordo com a pesquisa feita pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), os testes realizados com os participantes entre 10 e 17 anos que apresentavam sobrepeso e obesidade obtiveram resultados parecidos em relação à saúde cardiovascular.

O cardiologista Gilmar Reis, pesquisador e coordenador do curso de medicina da PUC Minas Contagem, explica que os efeitos no organismo de ambas as situações podem apresentar risco devido, principalmente, ao metabolismo e hábitos dos pacientes. “O sobrepeso pode ser a porta de entrada para desenvolver a obesidade e outras doenças. Algo muito comum entre os jovens que sofrem com tais condições são o sedentarismo e a alimentação irregular que atrapalha o metabolismo e auxilia no desenvolvimento de diversos transtornos”.

O que fazer?

O especialista reforça a importância de manter uma vida saudável para evitar problemas graves. “A melhor maneira de evitar doenças, seja no coração ou em outros locais do organismo, é por meio de hábitos saudáveis. Principalmente na adolescência, fase em que o ser humano precisa gastar mais energia. Por isso, o sedentarismo e alimentos perigosos podem causar danos irreversíveis”, alertou o médico.

Ele ainda indica que manter uma alimentação saudável desde os primeiros anos de vida, por meio do incentivo de pessoas próximas e familiares, pode ser um dos pontos a favor. “Outra dica é incentivar o adolescente a fazer atividades ao ar livre e manter o corpo sempre em movimento”, orientou Gilmar.

FonteGilmar Reis, clínico médico, especializado em cardiologia, pesquisador e coordenador do curso de medicina da PUC-MINAS campus Contagem (@dr_gilmarreis).

Artigo anteriorEmpreendedorismo por necessidade gera ideias inovadoras
Próximo artigo31 de maio: Dia Mundial Sem Tabaco / Parar de fumar engorda?
[ Jornalista e Editor do portal do programa Momento Celebridades | TV Band Minas (em BH/MG)]. ______________________________________________________________________________________________ Jornalista & Publicitário (FESBH), Teólogo (F.ESABI), Sociólogo e Letras (F.Polis das Artes) e Economista (UNIP). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC), Doutorado (especialização profissional LIVRE) em Ciências Sociais Políticas (USIP) e atualmente cursa Direito (UNIESP-BH/FACSAL). Apaixonado por música, colabora com rádios e portais falando sempre sobre álbuns, coberturas de shows e etc. Tem como hobbie comprar CDs e também vinis. "Minha paixão pela música me faz quase um pesquisador. Um amor que vem da adolescência" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here