Funk You esclarece: quem faz o Carnaval de BH são os blocos

0
1498

Com as tragédias causas pelas chuvas, discussões infundadas tomaram conta das redes sociais e o Funk You se posiciona: a retomada da festa momesca se deu graças aos blocos e, atualmente, ao financiamento por parte da iniciativa privada; a prefeitura não gasta, pelo contrário, arrecada e muito com a folia na capital

Após os estragos causados pelo grande volume de chuvas causarem prejuízos em Belo Horizonte, muitas pessoas foram para as redes sociais cobrar da prefeitura o cancelamento do carnaval para direcionar as verbas para a reconstrução da cidade e ajudar as famílias. Mas o que poucos sabem é que o executivo municipal não arca com nem um centavo para fazer a folia acontecer. Mesmo com a proporção que tomou, se tornando um dos principais destinos turísticos do país, o Carnaval da capital de Minas Gerais é viabilizado pelos blocos e com recursos vindos de patrocínio da iniciativa privada.

Para que o Carnaval de Belo Horizonte aconteça, é necessário um investimento de R$14,3 milhões e são os dois grandes patrocinadores que arcam com isso. Do total, R$6 milhões são repassados em verba direta e R$ 8,3 milhões em planilhas de estruturas e serviços, captado por meio de editais de patrocínio. O orçamento da Belotur é oriundo de investimento privado, sendo que, de toda a arrecadação, R$ 850 mil são destinados a blocos de rua por meio de editais.

O bloco Funk You é um exemplo de grupo que batalha durante todo o ano para garantir a diversão dos foliões em BH. Para que eles pudessem confirmar a presença na terça-feira de carnaval, na Avenida Afonso Pena, realizaram eventos com ensaios abertos, apostaram em produtos personalizados para comercializar e gerar mais uma fonte de recursos financeiros para o grupo. Para o idealizador do bloco, Lucas Moraes, as pessoas que estão pedindo o cancelamento da folia não sabem o que estão falando. “Para este ano a expectativa é que 5 milhões de foliões curtam o Carnaval em Belo Horizonte. Todo o investimento em infraestrutura e na realização dos desfiles, shows e demais iniciativas durante o período momesco é financiado pela iniciativa privada, por meio de dois grandes patrocinadores. Ou seja, sem nem um centavo dos cofres públicos. A prefeitura ajuda no sentido logístico, mas a viabilização é patrocinada”, explicou.

De acordo com Lucas Moraes o trabalho que o bloco vem fazendo, prima por obter múltiplas fontes de recursos, seja por ensaios abertos, vendas de produtos personalizados e shows fechados. Para ele, é muito injusto falar que o Carnaval consome dinheiro público. “Não estamos ajudando a gastar o dinheiro dos cofres da prefeitura. Pelo contrário, estamos ajudando a arrecadar mais e mais. O Carnaval gera empregos, ajuda a vender fantasias, movimenta hotéis e restaurantes”, pontuou.

Artigo anteriorBaile da Santinha agita a Esplanada do Mineirão com Léo Santana, Bell Marques, Saia Rodada e Pedro Sampaio
Próximo artigoSantana de Pirapama é a primeira cidade a receber o Festival Craques da Bola Kaiser em 2020
■ Jornalismo: (Apoio) ______________________________________________________________________ ■ Publicidade & Divulgação de Notícias MKT: Diretor [ Grupo Conteúdo (GC) ] ______________________________________________________________________ ■ Advocacia: Gestor Adv. [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial / Digital ] - "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE/OAB)". ______________________________________________________________________ ■ Canal 'Crítica Musical' com Felipe de Jesus (YouTube): https://www.youtube.com/channel/UCIWDiTUL9F-xlKwov43B5nQ ______________________________________________________________________ ■ Graduado: Apaixonado pela área acadêmica, Felipe de Jesus é Jornalista (FESBH), Publicitário (IPSP), Teólogo (F.ESABI), Sociólogo e Letras (F.Polis das Artes), Economista (UNIP) & Advogado (FACSAL). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC) e atualmente cursa Engenharia de Telecomunicações & TV (F.Nossa Senhora Aparecida / EAD). ______________________________________________________________________ Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here