Fertilização in vitro aumenta as chances de gravidez gemelar?

0
1079

Na foto: Dr. João Pedro – Procriar.

Uma das maiores dúvidas dos casais que fazem fertilização in vitro (FIV), diz respeito à gestação de gêmeos. Afinal, as chances de ocorrer uma gravidez gemelar nesses casos são mesmo maiores? O ginecologista e especialista em reprodução assistida, Dr. João Pedro Junqueira Caetano explica que a chance existe, mas não na proporção que muitas pessoas imaginam.

O especialista explica que, em um tratamento de FIV, para otimizar as chances de gravidez, são transferidos de dois a três embriões para o útero da paciente, a depender da idade de cada uma. E isso, consequentemente, amplia os riscos de uma gestação múltipla. “Quando fazemos FIV em uma mulher de até 35 anos, nós transferimos no máximo dois embriões para o útero dela. Se o tratamento obtiver sucesso, em 80% das vezes, a gravidez será única e somente em 20% dos casos será gemelar”, ressalta.

No Brasil, a chance de ocorrer uma gravidez de gêmeos de forma espontânea, sem tratamentos, é na ordem de 1 para cada 100 partos (1%). “Tem que se deixar claro que ao fazer um tratamento de reprodução assistida o mais comum é a gravidez única, mas a chance de uma gestação múltipla é da ordem de 20%, ou seja, bem maior do que se fosse de uma gravidez espontânea”, esclarece.

Contudo, segundo Dr. João Pedro, com o avanço das técnicas de reprodução assistida, uma clínica é hoje bem reconhecida e bem avaliada por excelentes taxas de gravidez com o menor número de embriões transferidos. Para isto, uma das estratégias do Grupo Huntington nacionalmente é estender o cultivo dos embriões até o estágio de blastocisto, isto é, 5 a 6 dias de cultivo mimetizando exatamente o tempo de desenvolvimento do embrião no ambiente natural, que são as trompas. Quando se atinge este estágio, 1 a 2 embriões são suficientes para oferecer uma taxa de gravidez ótima, e diminuindo muito o risco de gestação gemelar.

“O nosso objetivo não é que a paciente engravide simplesmente, mas sim que ela tenha uma gestação e um parto seguros e que o bebê nasça saudável. Por isso é que existe, inclusive, uma regulamentação do Conselho Federal de Medicina (CFM) a respeito do número máximo de embriões a serem transferidos”, pondera o especialista.

Atualização CFM

Em maio deste ano, o Conselho Federal de Medicina atualizou as normas éticas que regulamentam a utilização das técnicas de Reprodução Assistida no Brasil e delimitou que o número de embriões a serem transferidos para mulheres de até 37 anos é de até dois. Acima dessa idade, cada uma poderá transferir até três embriões. Anteriormente, mulheres de até 35 anos podiam receber até dois embriões, mulheres de 36 a 40 anos, três embriões, e acima dos 40 anos, até quatro embriões.

Sobre a Huntington Pró-Criar

A Pró-Criar está completando 22 anos com uma novidade. A clínica, que desde 2018 passou a integrar o Grupo Huntington de Medicina Reprodutiva, agora passa a se chamar Huntington Pró-Criar. A nova marca une a experiência, o acolhimento e a eficiência de ambas as clínicas na área de reprodução assistida para potencializar o atendimento de excelência aos seus pacientes. Fundada em fevereiro de 1999 pelo Dr. João Pedro Junqueira Caetano, especialista em Reprodução Assistida pela AMB/FEBRASGO, a Huntington Pró-Criar é formada por uma equipe multidisciplinar de ginecologistas, urologista, embriologistas, psicólogos e enfermeiras com larga experiência em todas as áreas da reprodução humana.

Artigo anteriorConheça alternativas para fugir da crise
Próximo artigoComercializadora surge como alternativa para amenizar crise no mercado energético
■ Jornalismo: (Apoio) ______________________________________________________________________ ■ Publicidade & Divulgação de Notícias MKT: Diretor [ Grupo Conteúdo (GC) ] ______________________________________________________________________ ■ Advocacia: Gestor Adv. [ FJB Advocacia - Assistência Jurídica & Empresarial / Digital ] - "Associação dos Advogados Empreendedores - (AAE/OAB)". ______________________________________________________________________ ■ Canal 'Crítica Musical' com Felipe de Jesus (YouTube): https://www.youtube.com/channel/UCIWDiTUL9F-xlKwov43B5nQ ______________________________________________________________________ ■ Graduado: Apaixonado pela área acadêmica, Felipe de Jesus é Jornalista (FESBH), Publicitário (IPSP), Teólogo (F.ESABI), Sociólogo e Letras (F.Polis das Artes), Economista (UNIP) & Advogado (FACSAL). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC) e atualmente cursa Engenharia de Telecomunicações & TV (F.Nossa Senhora Aparecida / EAD). ______________________________________________________________________ Com larga experiência em coberturas da área de Cultura (Jornal & Assessoria de Imprensa): Shows, lançamentos de álbuns, livros e exposições de arte, trabalhou durante anos, também, fazendo coberturas e matérias na área de Economia (ao qual acabou se graduando posteriormente). Atualmente, além de editorar alguns portais de notícia no país, ser redator e administrador, escreve duas colunas semanais. Com a "Crítica Musical" (coluna que está no CulturalizaBH - Portal Uai ao qual é editor e financeiro) e a coluna "Opinião & Comportamento", que durante anos ficou no portal da RedeTV e hoje está no portal "Rondônia Digital". Desta coluna, surgiu o E-book: "Sociedade Conectada: A Influência da Internet no Cotidiano" - Ed. Escrita Certa (2019). "A escrita é a minha maior paixão" (Felipe de Jesus). ______________________________________________________________________ [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here